03/08/2009

Ah ah!

.
Já me chamaram feminista por causa disto, mas não acho que tenha a ver. Ora, eu defendo que o último nome do filho de um casal tanto possa vir do pai como da mãe. Acho ridículo ter de ser obrigatoriamente do pai. Mas porquê? Tanto é progenitor um como o outro. Tudo bem que possa fazer parte da cultura bla, bla, bla; mas a sociedade evolui e assim também deve evoluir a cultura.
.
Como estes primeiros dias de férias são para fazer nada, lembrei-me, enquanto estava aqui ao computador de ir pesquisar o assunto, senão eis que encontro isto:
.
"Apelidos
.
Os apelidos constituem a segunda parte do nome das pessoas e, juntos ao nome próprio, completam a sua designação oficial, permitindo estabelecer a ligação do registando à família a que pertence.
.
a) São escolhidos de entre os que pertencem a ambos ou só a um dos pais do registando, ou a cujo uso qualquer deles tenha direito. Sendo escolhidos apelidos dos antepassados dos pais, ainda que não façam parte do nome destes últimos, deverá ser feita prova.
.
b) A ordem dos apelidos no nome da criança pode ser livremente escolhida pelos pais. Assim, respeitado o número máximo de quatro vocábulos, há plena liberdade na sua ordenação, sejam eles de ambas as linhas, materna e paterna, ou só de uma delas."
Fonte: Site do Ministério da Justiça
.
Ah ah! É que tinham-me dito que era uma questão legal, era a lei e não se podia dar a volta, e claro que quando me diziam isto eu ficava toda frustrada. Não é que eu no futuro, daqui a 4328754 anos quando tiver um filho lhe queria meter o último nome meu, mas acho que seria injusto o último ser do pai e não poder ser da mãe, caso o casal assim o deseje.
.

12 comentários:

Dexter disse...

Não é obrigatório n senhor. Eu tenho um amigo que tem o nome da mãe como último apelido, e n acho mal nenhum nisso.

Claro que eu como homem quero que os meus filhos tenham o meu nome em último lugar, para fazer continuar a raça :p.

Rita disse...

Eu ainda não sei como queria, mas gosto de saber que pode ser de uma maneira ou outra.

Dexter disse...

E mais, mas isto tb deve ssaber: qdo casas, o teu marido pode ficar com o teu nome em último, como apelido, n é obrigatório ficares tu c o dele.

Rita disse...

Isso é outra coisa que acho uma estupidez! Porque raio é que a mulher há-de ficar com o último nome do marido?
Eu se casar é que não meto mais nenhum, já tenho seis e basta.

Jedi Master Atomic disse...

Tens 6 ???
Estou a ver que és uma mulher de muita substância...looool :P

Rita disse...

Todos os dias na primária (tinhamos de escrever o nosso nome e a data do dia) rogava pragas aos meus pais por causa disso =P

Lu.a disse...

Olha, já aprendi uma coisa ova hoje, pensava que era obrigatório que o último nome fosse o do pai!

Jedi Master Atomic disse...

Já estou mesmo a ver que um filho teu, não terá mais que 3 nomes :P

S . disse...

Eu só tenho um apelido :P
3 nomes e basta. Um dia mais tarde, logo se vê.

E outra: quando implicam com um nome? Deu-se com o meu irmão; não queriam registar o nome que os meus pais queriam. Houve revolução, claro xD

Cat disse...

Não podia concordar mais. Não tinha a certeza de que fosse permitido mas calculava que sim. É a mesma questão da mulher quando casa ficar com o apelido do homem. Porque não ficam os homens com o apelido de solteiras das mulheres? [Se bem que, o que eu acho mesmo bem é que ambos mantenham o seu nome, como entidades individuais e independentes que continuam a ser!]

Rita disse...

Também concordo com isso cat. Mas para quê adicionar mais um nome? A pessoa não muda de familia. Ganha mais uns parentes, mas não muda quem é.

Formiguita Bipolar disse...

É sempre bom estar informada... (Se para mais não for, para calar aquelas bocas badalhocas que acham que tudo tem que ser como sempre foi, só porque sim.)

: )